Search
Close this search box.
Search
Close this search box.

Como Suporte e Desafio trazem o ‘RP’ de volta para o ‘G’

suporte-desafio-savage-worlds

Esta sensação você provavelmente já teve jogando outros sistemas mais famosos: Assim que o mestre diz “role iniciativa”, toda a interpretação de papéis para, conforme o jogo acaba virando um minigame de reduzir números a zero e com descrições tão elaboradas como “eu ataco”.

Durante esses combates, o jogo é completamente outro. Criando uma distinção total entre as cenas mais soltas onde os personagens podem interpretar as suas personalidades, falando frases de efeito e piadocas. Enquanto combates dão lugar apenas a aula de matemática, pois não há tempo para o resto. Isto cria o que eu chamo de “Efeito Final Fantasy”, da época em que estes jogos ainda eram por turnos. Pois o que você tinha eram duas experiências completamente diferentes no mesmo jogo, criando aquela dissonância ludonarrativa que todos nós adoramos! (Contém ironia).

E como Savage Worlds lida com isto?

Além de o combate médio não durar duas horas, e a iniciativa não interromper bruscamente o jogo (Sim, eu defendo, e defenderei a iniciativa com cartas até o meu amargo fim), Savage Worlds tem mais duas mecânicas que ajudam fortemente a trazer a interpretação de papéis de volta a tona durante um combate. São elas, Suporte e Desafio.

Notem, que mesmo dentro da opção de “eu ataco”, ainda é possível ser mais incisivo em como vai atacar. Usando opções como Ataque Selvagem, Desesperado ou Localizado além de outras, como Agarrar, Empurrar, Desarmar, etc. Executadas principalmente para vantagem tática, mas nada impede que sua personagem urre de raiva, e faça um Ataque Selvagem puramente por sede de vingança contra o chefe bandido que destruiu e pilhou seu vilarejo anos atrás. Mesmo sabendo que a retaliação dele e de seus asseclas será cruel por conta do estado Vulnerável, por exemplo. Todas estas opções você pode encontrar resumidas e prontas para uso em sua mesa em playmat de combate e guia de sobrevivência para combate. Mas a estrela do show são as duas opções destacadas aqui, então vamos falar delas.

Suporte e Desafio

Suporte (SWADE Ed. Revisada pg. 126): Esta opção permite que você ajude um de seus companheiros de equipe, dando um bônus de +1 (ou +2 com ampliação) na rolagem dele. Tipicamente usando Persuadir, Performance ou a perícia apropriada para o momento. Frases motivacionais, um auxílio técnico ou simplesmente um braço a mais são ótimos exemplos de Suporte. Vantagens como Confiável e Cativar o Ambiente (mencionada neste artigo) são essenciais para personagens voltados para esta mecânica, além disto, Vantagens que ajudem certas perícias também se encaixam em seu uso para Suporte, dependendo da ocasião.

Desafio (SWADE Ed. Revisada pg. 119): Sendo o exato oposto de Suporte, Desafio lhe permite atrapalhar um oponente com uma rolagem resistida da sua perícia de escolha, infligindo a condição Distraído ou Vulnerável caso o oponente fracasse. Tipicamente feitos como xingamentos bruscos, ou bem pensados (usando Intimidar ou Provocar), mas lembre-se que é possível usar qualquer perícia que faça sentido para tal. Exemplos incluem usar Lutar para fazer uma finta (há inclusive, Vantagem para isto), Atletismo ou Ladinagem para peripécias como jogar areia no olho, ou até mesmo conhecimentos aleatórios para distrair teu oponente com fatos e lógica. Há diversas Vantagens que podem ajudar nesta mecânica, mas os maiores exemplos são Instinto Assassino, Humilhar, Provocador e a maravilhosa Agitador (Também conhecida como “xingamento em área”!).

Na prática

Um ótimo exemplo disto foi na minha mesa de Savage Phandelver. Quando os bandidos marcarrubras entraram na estalagem que os PJs estavam, a fim de fazer eles sumirem. Os personagem estavam no lado oposto do salão, e não dava para os bandidos chegarem ao alcance sem fazer uma Corrida.

Na primeira rodada, o chefe dos bandidos então resolve Intimidar um dos personagens dizendo que ele “era um homem velho numa profissão em que se morre cedo”, e com Suporte de seus comparsas, usa um Desafio no tal personagem. No seu turno, o bardo retruca com rimas e palavras de baixo calão ofendendo a honra do bandido chefe, usando um Desafio com a sua Performance. Na última carta da rodada, o bárbaro que só queria apreciar uma cerveja e um javali assado… Fica extremamente irado com a interrupção, e usa o seu Desafio no chefe bandido com o seu Intimidar. Falando brevemente o que vai fazer em seguida, estando extremamente irritado.

O resultado fui o bandido chefe começar a segunda rodada estando Distraído e Vulnerável, assim ajudando a equipe a derrubá-lo. Além disto, a primeira rodada serviu como um bom aquecimento antes de ir as vias de fato. E o mais importante, foi que a interpretação de personagens não parou quando as Cartas de Ação foram dadas.

Em suma

Estas duas mecânicas não apenas ajudam a quebrar a monotonia do “eu ataco”. Elas também permitem ao personagem não conjurador que não tem nenhuma perícia como Atirar ou Lutar, ser valorizado durante o combate. Além disto, o fato de ter tantas Vantagens ligada a elas, permitem a criação de um personagem voltado a estas mecânicas. E por conta disto, Savage Worlds permite que um personagem social ou utilitário não seja inútil quando a diplomacia não é uma opção! Algo que eu sinto falta em vários outros sistemas.


Savage Worlds Edição Aventura é um sistema para RPG de mesa publicado no Brasil pela Retropunk.

Siga a Odyssey em nossas redes sociais para mais notícias selvagens!

+ Posts